Muña

Nome científico: Minthostachys mollis
Família: Limaceae
Origem: Andes

descrição

A muña cresce nos Andes a partir dos 2.700 metros acima do nível do mar. É um arbusto que pode medir até 1,20 m de altura, com pequenas folhas e flores brancas.

muna planta andes

Usos

Em altas altitudes, a muña é excelente contra mal-estares estomacais, enjoos e dificuldade para respirar.

Mal da montanhas

Quando aparecem os sintomas do mal de altitude, os guias da região do lago Titicaca costumam dar aos turistas ramos de muña para que os esfreguem entre suas mãos e logo inalem, aliviando assim enjoos, liberando os brônquios e descongestionando as vias respiratórias.

Problemas estomacais

As folhas e flores da muña são tomadas em forma de chá para aliviar inchaço e dores estomacais, facilitar a digestão e prevenir os gases, contribuindo também a eliminar os parasitos intestinais.
Recentes estudos em 2007 permitiram descobrir que a muña facilita a eliminação do organismo do helicobacter pylori, uma bactéria responsável pelas dores estomacais, vômitos, diarreias, intoxicação alimentar, gastrites e gastroenterites, assim como pela maioria das úlceras.
Referência: Faculdade de Farmácia e Bioquímica UNMSM 2009
O “mate de muña” (chá de muña) é servido nos restaurantes andinos, sobretudo na região do lago Titicaca.

Outros benefícios

  • Asma – Utiliza-se a muña nos casos de crise de asma.
  • Fortalecimento dos ossos – Graças ao alto teor de cálcio e fósforo, a muña facilita a consolidação e evita a descalcificação dos ossos e dentes, permite uma recuperação mais rápida nos casos de fraturas e diminui as possibilidades de aparição da osteoporose.
  • Inseticida – Os Incas utilizavam a muña em suas “colcas” (depósitos de alimentos) para proteger os mantimentos contra as pragas e controlar a germinação. Na atualidade, os camponeses andinos continuam com o uso da muña para proteger suas plantações, seu gado contra os parasitas e como repelente.
  • Traças – A muña, com sua fragrância penetrante, é eficaz contra as traças.
  • Fogos de artifício – Algumas comunidades andinas preparam um pó a partir do caule da planta, misturando-o com resina, álcool e enxofre, com o qual são preparados os fogos artificiais, por exemplo, como os utilizados durante as festas na cidade de Ayacucho (Andes centrais do Peru).
  • Cozinha – Nos Andes, a muña é utilizada como aromatizante em vários tipos de pratos, por causa de seu aroma similar à menta.

Referências:
INS – Instituto Nacional de Saúde

 

Composição e análise química da muña seca

(Tabelas peruanas de componentes dos alimentos – 1996)

Conteúdo em mg por 100 g da parte comestível:

MINERAIS mg / 100 g 
Cálcio 2.237
Fósforo 269
Ferro 22.40
COMPOSIÇÃO mg / 100 g
Proteínas 3.20
Gordura 2.80
Carboidratos 66.30
Fibras 9.40
Cinza 11.70
VITAMINAS  mg / 100 g
Vitamina A – retinol 306
Vitamina B1 – tiamina 0.35
Vitamina B2 – riboflavina 1.81
Vitamina B3 – niacina 6.85
Valor energético 299 Kcal

Compostos naturais

Mentona, isomentona, linalol, cariofileno, carvacrol acetato, espatulenol, limoneno, pulegona, isopulegona

});